Economia de energia

Casa inteligente e economia de energia

Casa inteligente e economia de energia


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Para lar inteligente referimo-nos àquele em que as luzes se apagam sozinhas se uma divisão estiver vazia, o sistema de aquecimento ajusta-se à temperatura exterior e as venezianas sobem e descem consoante o sol bate ou não. E algo mais.

UMA lar inteligente enfim, é aquele em que um sistema de domótica regula o funcionamento de todos ou de alguns sistemas com o objetivo de simplificar a vida e aumentar o conforto dos ocupantes.

No entanto, uma dúvida nos persegue: todos esses sistemas de automação e controle economizam energia? O maior investimento necessário para a compra de um lar inteligente, ou equipar um edifício existente com sistemas inteligentes, também se justifica economizar nas contas?

A resposta está em uma norma, CEN EN15232 “Desempenho energético de edifícios - Impacto da automação, regulação e gestão técnica de edifícios” que remonta ao lançamento da diretiva 2002/91 / CE sobre o desempenho energético dos edifícios. Padrão implementado na Itália com o Guia Técnico CEI 205-18 datado de fevereiro de 2011.

O que diz o CEN EN 15232 e por que isso tem algo a ver com lar inteligente? É importante porque o texto enfatiza como um fator indispensável ('indispensável') que todos os sistemas elétricos e tecnológicos, novos e existentes, sejam equipados com dispositivos ou sistemas de controle, automação e regulação.

Isso porque a inclusão nas edificações (estamos falando dos setores residencial e terciário) de sistemas de controle e automação determina - de acordo com a lei - uma redução no consumo de energia em geral e sobretudo aqueles relacionados a: aquecimento, refrigeração, ventilação , iluminação e produção de água quente.

Não somente. A CEI EN 15232 vai mais longe e endossa o princípio de que a utilização em larga escala de sistemas de automação pode educar para um bom comportamento de poupança de energia e respeito pelo meio ambiente, corrigindo os maus hábitos do utilizador graças à intervenção da tecnologia. . Como dizer: o lar inteligente também torna seus ocupantes "inteligentes".

Obviamente, a norma contém metodologia e critérios para avaliar a influência da automação e da gestão predial no consumo de energia. Uma metodologia que se baseia na subdivisão das plantas nas quatro classes indicadas a seguir.

  • Classe D 'Não energeticamente eficientes': sistemas técnicos tradicionais sem automação, não eficientes do ponto de vista energético;
  • Classe C 'Standard': sistemas equipados com sistemas de automação BACS (Building Automation Control & System) e considerados a classe de referência;
  • Classe B 'Advanced': sistemas de automação (BACS) também equipados com sistemas de gestão para controle centralizado de TBM (Technical Building Management);
  • Classe A 'Desempenho de alta energia': sistemas de automação e controle BACS e TBM com alta eficiência energética.


Vídeo: Como começar a sua CASA INTELIGENTE? dicas e experiências (Pode 2022).